© Copyright 2018 - Todos os direitos reservados

  • Amazon
  • Google Play
  • Deezer
  • Spotify
  • iTunes Store
  • WHATS

passando por Tacaratu, via Quipapá ou Caruaru

De Labiata a Lagoa da Canoa

De Labiata a Lagoa da Canoa

passando por Tacaratu, via Quipapá ou Caruaru

Introdução

 

Geografia narrativa do livro

Tal como pode ocorrer no agitar das bateias às margens de um arroio rico em metais nobres, certamente deixei escapar material precioso neste aligeirado garimpo literomusical focado no Nordeste brasileiro. As omissões hão de ser relevadas pelo leitor generoso e debitadas ao formato livre, informal e atemporal da obra, bem assim às distâncias ainda a percorrer por outros agrestes, sertões e brejos da região. 


Até onde a vista alcançou, foram resgatados, em excertos perenes, perfis criadores, traços humanistas e dons artísticos e literários da maioria dos autores citados, com ênfase para seus lugares de nascimento ou de vivência. Conforme a célebre lição de Servius (século IV): “Nenhum lugar é sem um gênio”. 


A viagem cultural começa e termina em Pernambuco, solo de João Cabral de Melo Neto e de Lampião. Incursões para os demais estados nordestinos são cadenciadas pela própria geografia narrativa. Estende-se da Bahia de Dorival Caymmi e de Jorge Amado ao Maranhão de Gonçalves Dias e de Ferreira Gullar. Passa por Sergipe de João Ribeiro e de Joel Silveira, Alagoas de Graciliano Ramos e de Hermeto Pascoal, Paraíba de Augusto dos Anjos e de José Lins do Rego, Rio Grande do Norte de Câmara Cascudo e dos irmãos Madureira, Ceará de José de Alencar e de Rachel de Queiroz e pelo Piauí de Assis Brasil e de Torquato Neto.

Lugares, fatos e vultos

A seleção de textos, de lugares, de fatos, de vultos históricos, de mitos, de lendas e de personagens folclóricos, bem como a citação de eventos populares e de pessoas comuns, não foram preestabelecidas. Emergiram naturalmente no caminho, em meio aos balouços da estrada – às vezes de catabil, às vezes nem isso, a exemplo da viagem a cavalo entre os sítios Cacimba Velha e Lajes, localizados nos municípios pernambucanos de Betânia e Tacaratu, respectivamente (capítulo XXI, pág. 206).

Zé Venâncio

Revisitando a infância em Labiata, o autor recorreu à imaginação para recriar o dramático episódio envolvendo a prisão e o trágico fim de Zé Venâncio, homem engenhoso e querido na cidade, morto de maneira brutal pela polícia após fugir da cadeia, onde se encontrava detido injustamente. O relato – em um formato, digamos, de minirromance desmontável – divide-se em duas partes. A primeira, narrada pelo personagem Vavá de Sula, surge no capítulo I (pág. 21) com o título Uma carta misteriosa. Um sarau na cidade de Cupira, no qual ocorre inusitada polêmica sobre a autoria da letra da música Rosa, cuja melodia é de Pixinguinha, e uma correspondência anônima recebida pelo pai de Vavá constituem o pano de fundo do enredo inicial da história. A segunda parte da trama só vai aparecer no fim da viagem (capítulo XXIV, pág. 230). Caberá ao leitor decidir se Canário e Zé Venâncio, encurralado por policiais numa emboscada, são a mesma pessoa. Desse veredicto, poderão surgir ilações interessantes.
 

Paraná

Embora a jornada envolva o cenário cultural do Nordeste, seu embrião foi concebido no estado do Paraná, onde fui acolhido no verdor da idade. Por isso, a terra de Rocha Pombo, de Romário Martins e de Dalton Trevisan mereceu registro especial no capítulo XXVI (pág. 255), o derradeiro. A homenagem se estende a seus filhos adotivos e aos respectivos torrões de origem. Assim, o capítulo faz ponte para, en passant, realçar a ideia de “lugar versus gênio”, de Servius, com ícones das artes e da cultura de distintas regiões, inclusive do exterior. 


Por apartada do tema central do trabalho, desde logo conceda-me o leitor essa pequena e oportuna detença no solo dos pinheirais, dos trigais, do barreado, do fandango e da gralha-azul. 

Trilha sonora

Em separado e com o mesmo título, um CD integra-se ao trabalho. Contém músicas autorais e composições de convidados. Esta produção independente do autor tem a intenção de ser uma espécie de trilha sonora das andanças descritas.  

Curitiba, julho de 2018.
José Alexandre Saraiva

  • Facebook
  • Amazon
  • Google Play
  • Deezer
  • Spotify
  • iTunes Store
  • WHATS